Search
Close this search box.

As interrogações…

Vamos falar de interrogações. Sim! Falar das tantas questões que brotam nas nossas mentes ou permitimos serem nelas colocadas, levando-nos por vezes à estagnação causada pelas confusões que se estabelece em nosso pensar. Há a família dos PORQUES. Essa família nos faz constatar que na grande maioria das vezes os motivos, as fontes das interrogações não são possíveis de serem conhecidas. Somos por essa família confrontados em nossas inabilidade e incapacidade. Temos, também, os COMO. São as interrogações que exigem a explicação de fatos ou do que é necessário para que ocorram algumas situações. E por assim ser, vemos que não somos detentores do saber pleno e que as respostas são oriundas de um conjunto de fatores que não estão assim tão isolados um dos outros, bem como as consequências existem, mesmo as que não são desejadas. E os QUANDO? Essa interrogação nos conscientiza de nossa temporalidade, de que não temos o poder de acrescentar nem mesmo um segundo a uma situação prazerosa ou de diminuir em um dia a dor. Somos por ela posicionados no tempo e no espaço, levando-nos a recear a imensidão de tudo que está ao nosso redor, por vermos que somos apenas participantes de toda uma complexidade e dimensão que nossas mentes não alcançam. Não podemos esquecer dos populares QUÊ. Eles se camuflam como pronome em certas respostas, mas não perdem o seu poder interrogativo mesmo na afirmativa. Apenas nos enganam, dando-nos uma certa sensação de que a resposta seja aquela, mas em poucos instantes nossas mentes atrelam outro questionamento à afirmativa em que eles estão contidos.   Claro! Há muitas outras locuções que podem se conformar em questionamentos…. Difícil, não é? As interrogações possuem até um sinal gráfico interessante, que revela sua sinuosidade, uma circunferência que caracteriza as tantas respostas que podem lhe ser dadas, mas para se chegar ao ponto mesmo, é necessário transpor um vazio. Repare no ponto de interrogação. Veja se não é isso?   Por isso que nós, meros humanos, limitados em nossa capacidade mental, interrompidos em nossa genialidade pela temporalidade, incapazes do saber total por causa do pecado original, corremos o risco de cair no abismo da angústia se não atentarmos para uma simples coisa: – Todas as nossas interrogações já foram respondidas e temos que confiar no Autor das respostas. Jó foi, ao momento final de sua provação, confrontado por Deus de um modo muito peculiar, que fez com que ele reconhecesse tudo o que acima descrevi, ou seja, que não há respostas convincentes aos PORQUÊS, COMO, QUANDO, QUE ou o SINALZINHO triste que dá forma aos questionamentos. Deus se valeu de interrogações em toda a Sua fala para que Jó pudesse erguer sua cabeça e vislumbrar a única RESPOSTA: o próprio Deus. Leia os capítulos 38, 39, 40 e 41 do livro de Jó. É muito interessante ver Deus se valendo daquilo que nós mais tememos para poder nos ensinar. Não adianta fugirmos da didática divina, afinal, Ele é Soberano. Falando então de interrogações, há apenas uma atitude ante elas, que é admitirmos tal qual Jó: “Sei que podes fazer todas as coisas; nenhum dos Teus planos pode ser frustrado. Meus ouvidos já tinham ouvido a Teu respeito, mas agora os meus olhos Te viram. Por isso me menosprezo a mim mesmo e me arrependo no pó e na cinza.” (Jó 42.2, 5-6). Ou seja, reconheçamos que Deus está nos ENSINANDO algo mais por meio do que vivenciamos e jamais permitamos que as perguntas sejam respondidas pela nossa vã maneira de pensar ou fragilidade humana. Pelo contrário, que elas possam ser respondidas pelo Autor das mesmas: DEUS. Pois o que Ele mais deseja é que estejamos mais e mais perto Dele e que sejamos mais e mais parecidos com Ele, tendo nossa mente transformada por completo, para que possamos ser úteis aos que estão ao nosso redor, vivamos para adorá-Lo e, principalmente, SEJAMOS FELIZES!   Deus lhe abençoe!!!!!!!   ANA PAULA PINHEIRO

Vencedor!

O inimigo vem com vontade,utilizando de toda sua maldadepara querer me derrubar,minha fé quer tentar tirar. Quer pôr nos olhos meusa dor e os sofrimentos seus.Quer que eu derrame lágrimasde desânimo, ódio e lástimas. Tenta tirar o meu sorriso,a alegria de que tanto preciso.Que meu brilho eu venha perder.Que eu não consiga vencer. Põe dentro do meu coraçãoa dúvida, o ponto de interrogação.No meu caminho, armadilhas mil.Quer levar-me para o seu covil. Mas para ele eu voltocom todo poder do alto.Pelo sangue de meu Jesus,derramado por mim na cruz. Digo-lhe com toda bravura,revestida com santa armadura: “Satanás, sai-te depressa, agora!Por Cristo eu tenho vitória! A alegria que queres tirar,em mim irá sempre reinar.Contínuo e radiante é meu sorriso,dele não conseguirás apagar o brilho. Meu coração foi lavadopor Aquele sangue derramado.Não venha sondar-me com bravura,pois em Cristo eu estou segura. E no céu com Ele vou viver.E glórias a Ele vou render.Aqui nada irás conseguir.Não queiras, não tentes vir! Pertenço ao meu Deus amado.Por Ele já és derrotado!” 〰〰〰〰〰☀〰〰〰〰〰 Escrevi essa poesia no final do ano de 2008. Ela expressa como eu posso enfrentar o inimigo de nossas almas pelo poder que eu sei que vem de Deus. Eu estava à época em meio a um processo muito conturbado no meu viver. Morávamos eu e meus dois filhos em uma quitinete que nem janela tinha, apenas uma abertura parecida com claraboia sobre a área de serviço. Apelidei essa quitinete de “Caverna de Adulão”, pois foram quase 12 meses em que pude perceber de forma tangível o cuidado de Deus para comigo e meus filhos mesmo no sofrimento que experienciava. Em uma manhã eu me levantei da cama com a alma muito pesarosa, sentia uma opressão interna intensa, e só me lembro (como se fossem flashes de imagens) de meus filhos me pedindo a bênção e saindo para o colégio e logo depois eu estava deitada no chão da minúscula cozinha e com uma dor na parte lateral da cabeça. Creio que devido à angústia tão intensa eu tenha desmaiado e batido a cabeça na beirada do fogão ou da pia (ficou um calombo)… Liguei para uma amiga e pedi para ela ir rápido lá a casa me ajudar. Enquanto ela não chegava, segurei na bancada da pia, sem ter muita força, mas me levantei e literalmente falei para o diabo: “Você pode até me ver rastejando, mas jamais vai me ver SAINDO DO CAMINHO! Pois não vou negar que Cristo está comigo até nesse momento! Saia daqui agora!” Falei isso umas 3 ou 4 vezes. Chorei! Orei! Clamei por misericórdia ali, sozinha, naquela pequena cozinha… Escrevo isso com lágrimas nos olhos, mas não de tristeza, mas sentindo a alegria por poder agora lhe dizer: logo após essa fala de repreensão ao inimigo, literalmente expulsando-o, e depois orando a Deus, senti uma paz tão intensa em meu interior, uma alegria que é difícil de expressar em letras, que quando minha amiga chegou já me encontrou mais ativa, pronta para poder terminar de me ajeitar e ir para meu trabalho. Foi final desse dia de 2008 que eu escrevi essa poesia, antes de me deitar…     Hoje posso lhe dizer que é possível, sim, viver a paz e a alegria que excede todo o entendimento humano, mesmo que estejamos em meio a pressões, opressões e provações, pois Deus nos diz em Sua Palavra: “Contudo, em todas as coisas somos mais que vencedores, por meio Daquele que nos amou.” (Romanos 8:37 BKJA), ou seja, somos vencedores, não por causa de nossas habilidades, força ou capacidade, somos vencedores porque estamos escondidos nas Mãos Furadas de Cristo, que nos amou e por nós morreu. Ele é o vencedor!  Ele é o Leão da Tribo de Judá! (Apocalipse 5:5) Deus lhe abençoe! Ana Paula Pinheiro