7 de outubro de 2022
Jane Esther

PROCURAI A PAZ!

“E procurai a paz da cidade, para onde vos fiz transportar em cativeiro, e orai por ela ao Senhor; porque na sua paz vós tereis paz.” (Jeremias 29:7)

“Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.” (Mateus 5:13)

O profeta Jeremias escreve aos israelitas que estão exilados na Babilônia. Nesta situação difícil, surgem falsos profetas que tentam “consolar” com a esperança de um retorno para breve.

Jeremias não fala de um fim próximo para as privações. As palavras que ele anuncia não alimentam falsas ilusões. Mas ele também sabe que Deus não abandona o seu povo mesmo em tempo de juízo. O povo precisa esperar. De que maneira? Procurando a paz na cidade! Ele não está pedindo demais? Procurar a paz em terra estranha, na casa do inimigo?

Também os seguidores de Jesus vivem em terra estranha. Não têm aqui “cidade permanente” (Hebreus 13:14). São “peregrinos e forasteiros” (1 Pedro 2:11). Os cristãos, durante sua caminhada, são chamados a se comprometerem com a realidade em que vivem. São o “sal da terra” que pode transformar a situação precária em que vivemos, até que o Senhor venha para implantar em definitivo o seu reino. 

A palavra do Antigo Testamento fala em paz. E a palavra do Novo Testamento usa a figura do sal. A paz a ser procurada não é a paz silenciosa, estéril. É paz ativa, que arde e tempera. Paz imóvel e morta tem a ver com sal insípido, sem sabor, sem poder de transformar.

A paz que vem de Deus acontece na justiça. Onde não há justiça, a convivência humana precisa ser mantida à força. O que existe então é uma “coexistência pacífica”, sujeita a desmoronar-se a qualquer momento.

Justiça e paz são inseparáveis. Fazem parte de uma mesma realidade. O Salmo 85 traz uma figura muito bonita como ilustração: A justiça e a paz se beijaram (v.10). Justiça e paz são namorados, têm afinidade e se complementam. Quando uma não está perto, a outra sofre.

A SÓS COM DEUS:

“Senhor, tu amas a justiça. Tu queres a paz para todas as pessoas. A tua paz brota na justiça. Quando a justiça e a paz se encontram, surge uma realidade nova: o irrompimento do teu reino. Transforma-nos em promotores deste reino. Amém.”

A autora dessa reflexão, é Jane Esther Monteiro de Souza de Paula Rosa, membro da Igreja Batista em Porto da Madama, São Gonçalo, RJ. Ministra de Educação Religiosa. Graduada em Pedagogia, Psicologia e Jornalismo. Pós-Graduada em Relações Humanas, em Psicopedagogia, em Psicologia do Desenvolvimento Infanto-juvenil e em Liderança (APEC), entre outros. Professora de Teologia e Educação Religiosa. Jornalista Empresarial. Radialista. Apresentadora de Programa de TV. Cursos de Mídias Digitais. Mestre em Educação Religiosa e Teologia. Coordenadora Nacional do Ministério Moms In Prayer International, em Português, Mães Unidas em Oração Internacional (www.momsInprayer.org), (linktr.ee/maesunidasemoracao). Redatora da Revista “Educador” da CBB - Convenção Batista Brasileira.