26 de setembro de 2022
CULTURA

Ator de ‘Shazam’ diz que a fé o ajudou a superar pensamentos suicidas

Zachary Levi é um ator e cantor de sucesso em Hollywood, aclamado pela crítica pelo personagem Chuck Bartowski no drama da NBC “Chuck”. Em suas atuações estão papéis de super-heróis nos universos DC e Marvel.

Em uma entrevista, o ator contou que teve sua fé reforçada ao atuar no longa “American Underdog”, uma produção cristã. “Estávamos vendo qual seria o próximo trabalho legal para mim. E de repente, Deus mostra: ‘Faça isso agora, porque Eu acho que vai ser muito bom para você’”, disse ele ao The Christian Post.

Levi interpretou o papel de Kurt Warner, ex-jogador da NFL e considerado um dos maiores do futebol americano.

Apesar do êxito profissional, o ator de 41 anos é o primeiro a se abrir sobre suas lutas passadas com depressão e ansiedade, lutas tão severas que o levaram a pensar em suicídio.

“Quando eu tinha 37 anos, cerca de cinco anos atrás, tive um colapso completo”, disse Levi ao The Christian Post. “E basicamente cheguei ao lugar onde não queria mais viver. E eu tive muita, muita sorte que uma das minhas irmãs decidiu ir e pesquisar na internet por um lugar que eu pudesse buscar uma cura realmente profunda. Fui a essas três semanas de terapia muito intensiva e que mudou minha vida, que me fez voltar a ficar de pé. E simultaneamente, porque eu fui e fiz esse trabalho, de repente, as coisas na minha vida começaram a se abrir.”

“Eu nem sabia o que era amor-próprio antes de cinco anos atrás”, acrescentou o ator de “Shazam”. “Tenho apenas quatro anos e meio, cinco anos na minha jornada de amor-próprio. Eu sou uma criança quando se trata de descobrir como me amar e cuidar de mim mesmo. Essa é outra coisa que eu nunca entendi; … sempre tentei salvar o mundo e cuidar de outras pessoas. E isso me deu propósito e significado; nunca sabendo realmente como gastar comigo mesmo, sozinho.”

Para falar mais claramente e publicamente sobre sua história, Levi lançou o livro de memórias “Radical Love: Learning to Accept Yourself and Others” (Amor radical: aprendendo a aceitar a si mesmo e aos outros, tradução livre).

O ator expõe suas lutas, que segundo ele começaram desde que consegue se lembrar. Quando criança, Levi foi abusado psicologicamente por sua mãe, ela própria vítima de abuso não reconhecido, e mais tarde, por seu padrasto. O trauma geracional, disse o ator, é “científico e bíblico”.

“Quando jovem, com esse grande coração, que só queria ir e amar as pessoas, era um ambiente muito prejudicial para crescer”, lembrou ele. “E o que aprendi foi como fugir constantemente da dor que sofria”.

Traumas e vícios

Para escapar do abuso dentro de casa, Levi se entregou a vários vícios. “Tudo se tornou um trauma não resolvido e não curado”, conta.

Mais tarde, ele diz que voltou para o sexo, drogas e álcool para lidar com sua dor. Mas foi em seu divórcio da atriz Missy Peregrym, em 2015, que sua turbulência interna veio à tona.

“Muita escuridão e depressão resultaram disso”, disse ele sobre o divórcio.

“Hollywood não é exatamente o lugar mais amoroso, gentil e seguro para os corações, mentes e almas das pessoas”, acrescentou. “E, novamente, não reconheci como trauma; eu apenas pensei, bem, essas são lutas, e meio que trabalhei com elas. Mal sabia eu que tudo isso estava alimentando o mesmo trauma que eu experimentei quando criança, e revivendo muita dor de novo e de novo e de novo.”

Amor de Deus

Levi diz que aprender a amar a si mesmo aconteceu a partir do momento que passou a ver a si mesmo como Deus o vê. Compreender sua identidade em Cristo, juntamente com terapia e apoio, foi uma mudança de vida.

Apesar de ter crescido com uma “dose saudável de fé”, Levi disse que seu relacionamento com Deus foi testado severamente durante sua luta contra a depressão.

“Quando eu estava na escuridão, foi a primeira vez na minha vida, cinco anos atrás, quando senti que talvez não houvesse Deus”, disse ele. “Naquele momento, eu não acreditava em um Deus, porque se houvesse a Deus, eu não sei por que eu estaria passando pela escuridão que eu estava passando, onde eu sentia que não havia Deus.”

“Eu estava chorando; literalmente como gritar e clamar a Deus, para me ajudar a entender o que estava acontecendo comigo. E eu não estava recebendo nenhuma resposta. Eu não estava recebendo nada das coisas que eu tinha anteriormente em minha vida, sentindo como se tivesse obtido clareza, respostas e visão de Deus. Então, realmente abalou meu mundo”, disse ele.

Ação do inimigo

Levi diz que, olhando para trás, consegue ver que esses sentimentos de indignidade eram do inimigo. Com base em sua própria experiência, ele descreve em seu livro os passos práticos que os leitores podem tomar para melhorar sua saúde mental, física e espiritual, desde a oração e meditação até conversar com um terapeuta licenciado e encontrar uma comunidade de apoio.

“O inimigo, a escuridão, nos diz que você está excepcionalmente quebrado; ninguém foi quebrado como você, ninguém vai entender o seu quebrantamento, todo mundo vai pensar ‘Uau, que estranho eles estão quebrados assim porque ninguém está quebrado assim’”, disse ele.

“E isso é meio estranho e confuso. Mas isso é uma mentira. É uma mentira do poço do Inferno. Todos nós lutamos com as mesmas coisas e todos nós lutamos com isso desde o início dos tempos. Então temos que estar dispostos a aceitar essas ideias e aceitar que seu cérebro é facilmente sequestrado”, diz.

Ele conta que praticar o amor radical e ver os outros como criados à imagem de Deus foi o que permitiu que ele estendesse o perdão a si mesmo e à sua mãe, décadas após o abuso que sofreu.

Ajudar outros

O ator diz que compartilhar publicamente sua história é catártico e intimidador. Mas ele se sente chamado a compartilhar suas lutas e vitórias em um esforço para ajudar os outros a aprender que eles também podem encontrar esperança e cura.

“Nenhuma quantidade de desempenho vai ganhar seu valor ou seu amor; você é adorável, e você é amado simplesmente porque você é”, enfatizou. “O fato de existirmos é um milagre. Somos todos esses milagres que andam e falam.”

Levi diz que também espera que a sociedade continue a reformular a conversa em torno da saúde mental, levando-a tão a sério quanto a saúde física.

“A doença mental é como a doença física. E como um espectro inteiro, temos doenças físicas, é como o resfriado comum até o câncer. E o mesmo é verdade com a doença mental, você pode ter muito poucas coisas gerenciáveis, mas ainda é uma pequena doença mental, ou você pode precisar ser internado em um hospital psiquiátrico e colocado em um quarto específico e receber drogas muito pesadas e o que quer que seja”, disse ele.

“Não há nada do que se envergonhar em nada disso. Somos todos filhos de Deus e todos merecemos ser amados em todos os níveis possíveis. Eu acho que essa é a maior coisa que Cristo estava tentando fazer com que todos nós entendêssemos quando Ele estava aqui.”

‘Estamos juntos’

Embora esteja grato pelo quão longe chegou, Levi é o primeiro a admitir que sua recuperação continua sendo um trabalho em andamento. O ator enfatizou que a cura “não é um sprint, é uma maratona” – e é algo que requer tempo e cuidado intencionais.

“Nunca, nunca, nunca acredite que você está sozinho nisso”, disse ele. “Nós estamos todos juntos nisso. E todos nós estamos lutando com essas coisas.”

O ator não quer que os outros o coloquem em um pedestal, totalmente ciente de como as celebridades podem se deparar com uma sociedade obcecada por imagens. “Somos um bando de idiotas como todo mundo. Estamos lutando… e de várias maneiras, estamos lutando ainda mais do que outras pessoas por causa das pressões e julgamentos estranhos e coisas que vêm com esse trabalho estranho que nós temos.”

Com seu novo senso de propósito e esperança, Levi tem a missão de usar sua plataforma para elevar os outros, seja usando seus talentos para estrelar filmes como “American Underdog” ou compartilhando sua história com o mundo.

“Temos um tempo limitado para chutar essa grande bola de lama giratória”, disse ele.

“E eu quero fazer o máximo que puder para trazer o máximo de alegria às pessoas. Mas também, dada a jornada que eu passei em minha própria saúde mental, eu senti que se eu pudesse aguentar isso, se eu pudesse caminhar por essas chamas, e eu pudesse ajudar qualquer pessoa a caminhar pelas mesmas chamas, parece um bom uso do meu tempo.”

ATENÇÃO!

Caso você esteja pensando em cometer suicídio, procure ajuda especializada como o CVV e os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) da sua cidade.

O CVV (https://www.cvv.org.br/) funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados) pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente. São mais de 120 postos de atendimento em todo o Brasil.

GuiaMe