28 de novembro de 2022
BRASIL

Ex-jogador da seleção de futebol de areia é pastor na Rocinha

Nos anos 2000, Benjamin Pereira da Silva foi craque da seleção brasileira de futebol de areia e ganhou admiração dos fãs da modalidade.

Hoje, aos 53 anos, o ex-atleta é pastor de uma igreja na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro.

À noite, Benjamin troca a roupa esportiva, que usa para jogar bola por lazer, pela roupa social e vai para a igreja, carregando sua Bíblia nas mãos.

“As pessoas ficam olhando… Falam: ‘É o Benjamin, do futebol de areia’. Mas veem a Bíblia, e começa a curiosidade, acham maneiro”, contou ele, em entrevista ao Globo Esporte.

Craque dos anos 2000

O carioca é ainda lembrado por sua trajetória brilhante no futebol de areia, com muitas pessoas comentando, ao encontrar ele: “Como você mudou? Eu lembro de você no Esporte Espetacular”.

“Tinha um glamour, mídia. O futebol de areia era uma febre. As pessoas dormiam na fila para assistir aos jogos. Elas me reconhecem pela minha trajetória, e ficam curiosas ao me verem. As pessoas falam que não envelheço, mas o remédio é papai do céu”, disse o pastor, rindo.

Benjamin aceitou Jesus como seu Salvador e um ano depois de se aposentar do esporte, em 2016, se tornou pastor.

Como líder cristão, ele trabalha na recuperação de dependentes químicos na comunidade.

Ajudando dependente químicos

Crescendo nas comunidades Chapéu-Mangueira e Babilônia, no Leme, o ex-jogador conhece bem a realidade do vício e revelou que ele próprio já enfrentou o problema.

“Fui usuário de maconha por muitos anos. Era aquela coisa de zoeira, de jovem. Quando o Benjamin Jr. nasceu, eu quis parar e não consegui. Ali eu vi que estava no estágio do vício. Eu achava que controlava, porque usava um ano, ficava outro sem usar, voltava a usar, parava outros meses. Mas quando eu mais quis parar, em 1994, não consegui”, afirmou ele.

“Que luta, irmão, que batalha travada. O esporte não tinha antidoping no começo, depois passou a ter. Eu tinha que me policiar, ficar um período sem, naquela coisa de se esforçar, de abstinência”.

Liberto do vício


Benjamim atua em projeto social de esporte com crianças. (Foto: Arquivo pessoal/Globo Esporte).

Benjamin contou com a fé e com o apoio da esposa para se libertar do vício. “O problema era à noite, quando eu não conseguia comer, dormir e tinha que usar. Em época de jogo, era complicadíssimo. Eu orava muito, minha esposa, que está comigo há 30 anos, foi meu porto-seguro”, relatou.

Em 2003, o ex-atleta ficou liberto da dependência química e hoje usa seu testemunho para ajudar outras pessoas que passam pela mesma luta.

“Fui nascido e criado em comunidade, presenciei muitas coisas. Nunca fui para clínica de reabilitação, mas sou uma testemunha viva de que dá para sair dessa”, declarou.

O pastor também usa sua trajetória no esporte para educar e inspirar as gerações mais novas.

Formando futuros cidadãos

Junto com o ex-jogador Juninho, seu companheiro de seleção brasileira, ele atua como embaixador do Projeto Grão de Areia.

A ação atende cerca de 100 crianças, de seis a 15 anos de idade, usando o esporte como ferramenta de transformação social.

“O que me motivou foi o fato de ser um projeto social de olho na formação do cidadão, de inclusão, o que mexeu muito comigo. Não estamos procurando atletas de alto rendimento. O mais importante é formar o cidadão. Dali pode sair um jornalista ou um advogado”, ressaltou Benjamim.

E acrescentou: “No treino, eu ensino bicicleta, elástico, passe, chute, mas depois eu passo a eles a minha experiência pelos lugares que rodei pelo mundo, pelas pessoas que eu conheci, por tudo o que vivi. Converso a respeito de assuntos que englobam a educação, a humildade, o foco, a oportunidade dada. A maioria é de área carente. Há classe média também, porque a ideia é misturar os universos. É gratificante demais”.

Guia Me